Menu

Com discurso de ataque, Temer mira Congresso e esquece a sociedade

Cercado de parlamentares aliados, o presidente Michel Temer atacou a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em cadeia nacional de TV, mas sua declaração teve um alvo calculado: os 172 deputados que podem ajudá-lo a se livrar da peça acusatória na Câmara.

Todas as palavras, ênfases, paradinhas táticas, o esfregar de mãos e os seus olhares pausados tinham um propósito: alertar os políticos de que eles podem logo se transformar em “efeito Orloff” de Temer e serem também alvo da mesma “ilação” que o presidente sustenta ter sido feita pelo PGR.

“Não vou chamar de pronunciamento”, disse Michel Temer, “mas é uma declaração esclarecedora”. Lembrando seus 40 anos no exercício da advocacia e seus conhecimentos jurídicos, tratou de desqualificar a denúncia: “Sei bem quando uma decisão é sem fundamento”. A partir daí, foram ataques sem embaraço. Rodrigo Janot teria reinventado o Código Penal e incluído uma nova categoria: a denúncia por ilação.

Na sequência, disse que na linha de tal “trabalho trôpego” como o do PGR também seria possível aferir que os milhões recebidos pelo ex-procurador da República Marcelo Miller, muito próximo a Janot, não fossem pagos unicamente ao assessor de confiança. Lançada a bomba, completou: “Mas eu não farei ilações, tenho responsabilidades”, reforçando a negativa verbal com gestual do dedo indicador.

Versado nas letras jurídicas e na retórica do mundo dos políticos, o presidente poderia ter lembrado o exemplo do famoso discurso de Marco Antonio, aliado de César na Roma do ano 44 antes de Cristo. A retórica  de Marco Antonio é imortalizada por William Shakespeare na peça teatral Julio César. Num discurso eloquente, Marco Antonio convence o povo de que César não era ambicioso e de que Brutus, na verdade, era um traidor.

Um pouco antes, Brutus havia sido ovacionado pela mesma plateia ao sustentar que Cesar era um tirano ambicioso. A peça de teatro de Shakespeare impressiona por ser tão contemporânea séculos depois de ser escrita. Além de uma aula de retórica, o talento de Shakespeare leva a refletir sobre disputa de poder, jogos políticos e manipulação. Temas muito atuais.

Trump chama de loucos apresentadores de TV e é criticado até por aliados

O presidente norte-americano Donald Trump continua o mesmo. Agora, é criticado também por aliados, não somente pela oposição. Ao chamar de loucos dois apresentadores da rede americana MSNBC, Trump recebeu críticas até mesmo do correligionário presidente da Câmara, o republicano Paul Ryan: “Eu não vejo isso como um comentário apropriado”.

Após ter sido criticado pelos apresentadores do programa “Morning Joe” –  Mika Brzezinski e Joe Scarborough, Trump chamou-o de ”Psicho Joe” (Joe maluco) e Mika de “louca de baixo QI (“low I.Q. crazy Mika”).

Em comunicado, a rede MSNBC afirmou que “é um triste dia para a América quando um presidente gasta seu tempo fazendo bullying, mentindo e vomitando ataques pessoais em vez de fazer o seu trabalho”.

Essa Coca é Fanta? Sim, e daí?

Com os dizeres “Essa Coca-Cola é Fanta, e daí?” e com Fanta no lugar de Coca-Cola, mais uma vez a empresa brilha em defesa e empatia com o Movimento LGBT no Brasil. A divulgação da ação interna da Cola-Coca tomou conta das mídias sociais no dia 28 de junho, mais conhecido como o Dia Internacional do Orgulho LGBT.

Levando a bandeira do respeito à diversidade sexual, a renomada marca surpreendeu seus funcionários da sede de Botafogo (RJ), distribuindo o produto personalizado nas geladeiras dos 13 andares da empresa, a fim de gerar orgulho e contribuir com a cultura empática no dia-a-dia. Apesar da repercussão positiva nas redes durante essa semana, a empresa deixou claro que não haverá a comercialização dessa edição personalizada.

Continuar lendo

14/12/2017 07:00
14/12/2017 00:34
13/12/2017 22:42
13/12/2017 22:23
Voltar ao topo