Menu

John Wayne dá uma surra nos índios, para eles aprenderem quem é que manda…

Uma breve pensata sobre a barbárie da guerra, por Celso Lungaretti. “Como é difícil concretizar na vida real as fantasias bobocas que povoam a mente do patético presidente dos EUA, o jeito foi ele exibir o muque de outra maneira: despachando 59 mísseis contra a Síria”

por Celso Lungaretti · Publicado em 10/04/2017 07:00

EBC

A inocência da criança síria diante das atrocidades do mundo adulto

O apresentador do Big Brother World, Donald Trump, demitiu o participante sírio Bashar al-Assad, que sonha com o papel de serial killer nalgum filmeco de Hollywood.

Como é difícil concretizar na vida real essas fantasias bobocas que povoam a mente do patético presidente dos EUA, o jeito foi ele exibir o muque de outra maneira: despachando 59 mísseis contra a Síria.

Afinal, o bestial assassinato de crianças por meio de arma química exigia uma resposta que a mídia considerasse à altura e os noticiosos de TV exibissem fartamente. E cérebros bem lavados nunca reparam que disparar à distância, sem correr risco nenhum, é um ato de covardia extrema. Nem John Wayne aprovaria.

O resultado foram outras quatro crianças mortas. Mas que importa, desde que o mocinho tenha colocado outra vez os índios no seu lugar?

Demonstrações de força em tal escala são inúteis e até contraproducentes. Para funcionarem, precisam ser apocalípticas como as de Hiroshima e Nagasaki, mas, felizmente, nem mesmo um debiloide como o Trump ousaria cometer um crime contra a humanidade tão dantesco hoje em dia.

Então, o que tivemos foi apenas o acréscimo, por cortesia dos EUA, de mais nove seres humanos à lista de cerca de 80 vítimas fatais produzidas pelo carniceiro de Damasco.

Outros textos de Celso Lungaretti

Mais sobre política externa

Continuar lendo

Voltar ao topo
comments powered by Disqus
Voltar ao topo