Menu

“A Justiça, cega, quer curar a cegueira dos outros”, vê Ivan Brandão

Ivan Brandão *

Hoje acordei doente. Olhei para dentro de mim e descobri que, simplesmente, amava a todos. Amor é doença, sim. Não há quem me convença do contrário. E amar é masoquismo. Há cura, mas não há remédio. É ele o próprio e doente estou. Sem querer remediado estar.

<< Por que a bandeira LGBT também é nossa bandeira

A Justiça, cega, quer curar a cegueira dos outros. Diz do amor, afinal, que é cego também. Este, sem querer enxergar por além do que se mostra, cego fica, sem remediar. Pra quê?

Mais vale o amor de duas partes iguais, de um todo só um mesmo coração. Mais vale o desejo, muitas vezes cego, por uma Justiça que teime em querer olhar por baixo da venda que acoberta os olhos. Mas, ainda assim, pende a balança, impõe o martelo e não reluta em usar a espada.

E da lâmina tenta curar o amor incurável. Conveniente cegueira que, em vez de expor o abandono ao destino, pinta de cinza a “luz interior”.

Hoje acordei doente. Olhei pra fora de mim, e me vi cego.

Mas é cegueira que colore.

Doente sou eu de amor. Doentes são eles que, nas cores, enxergam sangue.

Quem pode curar a cegueira?

* Ivan Brandão é jornalista e cobre política em Brasília.

<< Conselho Federal de Psicologia vai recorrer de decisão que libera “cura gay”

<< Após juiz liberar “cura gay”, militante pede aposentadoria por ser homossexual

Continuar lendo

14/12/2017 07:00
14/12/2017 00:34
13/12/2017 22:42
13/12/2017 22:23
Voltar ao topo