Menu

Rovena Rosa/ABr

Preso desde ontem, junto com o executivo da J&F Ricardo Saud, Joesley será transferido para Brasília nesta segunda-feira

Agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal cumprem desde as 6h desta segunda-feira (11) mandados de busca de apreensão no apartamento do ex-procurador Marcelo Miller. Também há ações em São Paulo nas residências do empresário Joesley Batista, da J&F, e do diretor de Relações Institucionais do grupo, Ricardo Saud, presos ontem por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

Os dois foram presos a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que também solicitou a prisão de Marcello Miller, que atuou como advogado no acordo de leniência da J&F ao deixar o Ministério Público Federal.  Mas o pedido em relação a ele foi rejeitado por Edson Fachin. Os policiais buscam documentos e gravações sonegados pelos delatores.

<< Veja a íntegra da decisão de Fachin

Em gravações divulgadas na semana passada,  Joesley e Saud falam da estratégia de utilizar Miller para tentar se aproximar do procurador-geral da República. Recai contra ele a suspeita de ter atuado na defesa da J&F quando ainda era integrante da força-tarefa da Lava Jato. O procurador diz que a acusação é “fantasiosa” e que jamais fez “jogo duplo”.

Já Joesley e Saud foram presos acusados de omitir informações na delação premiada. Fachin determinou também a suspensão dos benefícios do acordo de colaboração, que previa, entre outras coisas, imunidade penal aos delatores. Os delatores se entregaram ontem à tarde e já estão presos. Eles serão transferidos para Brasília nesta segunda-feira.

<< Joesley e Saud se entregam à PF em São Paulo
<< Soltos, Joesley e Saud poderiam ocultar provas, diz Fachin ao justificar prisão

Continuar lendo

18/11/2017 18:34
18/11/2017 16:43
18/11/2017 15:18
18/11/2017 11:09
Voltar ao topo