Menu

Marcos Oliveira/Agência Senado

Jucá justificou que o afastamento da senadora é para aguardar decisão do Conselho de Ética do Partido sobre críticas de Kátia Abreu ao partido e ao presidente Michel Temer

 

O ex-ministro Geddel Vieira Lima pediu, e a Executiva Nacional do PMDB aceitou, o seu afastamento da Primeira Secretaria e das funções do partido pelo prazo de 60 dias. Geddel está preso desde a semana passada no Presídio da Papuda, após a Polícia Federal (PF) encontrar cerca de R$ 51 milhões em um apartamento emprestado por um amigo.

A Executiva do PMDB também afastou das funções partidárias a senadora Kátia Abreu (TO), pelo mesmo prazo. Segundo o presidente da legenda, senador Romero Jucá (RR), o afastamento da senadora é para aguardar a decisão do Conselho de Ética do partido, que analisa o processo contra a senadora por ter ferido a ética e a disciplina partidária com críticas à legenda, ao presidente Michel Temer e por ter votado contra matérias defendidas pelo governo.

<< Kátia Abreu: “Por que PMDB nunca pune filiado condenado ou preso?”

Ainda na reunião, o senador Romero Jucá designou o líder do PMDB na Câmara, deputado Baleia Rossi (SP), para buscar um entendimento em torno das divergências no PMDB de Pernambuco com a filiação ao partido do senador Fernando Bezerra.

Essa filiação gerou atritos na legenda e um integrante do PMDB local pediu a dissolução do diretório regional. Jucá disse esperar que Baleia Rossi consiga fazer o entendimento entre as partes divergentes para evitar a dissolução da direção do partido no estado.

<< PP, PMDB, PT e PSDB são os partidos com mais parlamentares sob suspeita

<< Enrolado na Lava Jato, PMDB quer voltar a ser MDB para “ganhar as ruas”

Continuar lendo

18/11/2017 18:34
18/11/2017 16:43
18/11/2017 15:18
18/11/2017 11:09
Voltar ao topo