Menu

Reprodução

Moradores do condomínio Solaris prometeram denunciar manifestantes

Um grupo de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e da Frente Povo Sem Medo deixou há pouco o tríplex do Guarujá (SP) atribuído ao ex-presidente Lula, e que o levou à condenação e prisão na Operação Lava Jato. O imóvel do Edifício Solaris, em frente à praia de Asturias, foi ocupado por algumas horas na manhã desta segunda-feira (16) em reivindicação pela libertação do petista. Segundo o coordenador do MTST, Guilherme Boulos, a Polícia Militar chegou ao local sem ordem judicial para desocupação.

“Em uma ação arbitrária, sem ordem judicial, a polícia deu prazo para saída do MTST do tríplex, sob pena de prisão de todos os ocupantes. O tríplex foi desocupado, mas o recado ficou. É evidente que não tinham ordem [judicial para desocupação]: quem pediria a reintegração de posse?”, questionou Boulos, pré-candidato do Psol à Presidência da República.

<< PT vai recorrer de multa de R$ 500 mil imposta por juiz contra acampamento pró-Lula em Curitiba

<< Maioria considera justa prisão de Lula e não acredita que ele concorrerá em outubro, aponta Datafolha

Nesse sentido, Boulos questionou a sentença do juiz federal Sérgio Moro, de nove anos e seis meses de prisão, aumentada para 12 anos e um mês no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, em 24 de janeiro. Para o dirigente, não há razão para a condenação de Lula com o argumento de que ele é dono do imóvel – Moro o condenou por lavagem de dinheiro e corrupção por ter dissimulado a posse do tríplex em relação criminosa com o Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, supostamente beneficiado pela influência do petista.

“Bom, se é do Lula, o povo foi convidado e pode ficar lá. Se não é do Lula, o Judiciário vai ter que explicar porque prendeu o Lula por causa desse tríplex”, acrescentou Boulos.

Veja o que disse o coordenador do MTST:

Com bandeiras, palavras de ordem e faixas com dizeres como “Lula Livre”, a ocupação incomodou moradores do prédio, que fizeram registro fotográfico e prometem denunciar a ocupação à Justiça. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, uma moradora identificada como Renata Simões pediu a prisão dos manifestantes. “Tirei foto de todos eles e estou indo para a delegacia denunciar. Estou com medo dentro da minha própria casa. Eles não estão no apartamento do Lula. Eles invadiram um condomínio que é de várias pessoas. Têm que sair daqui algemados”, reclamou.

Líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ) foi ao Twitter comunicar a desocupação e fazer críticas à polícia paulista. “O MTST foi retirado do tríplex sob a alegação de flagrante. Disseram que não precisavam de reintegração e ameaçaram prender todos se não saíssem no prazo, levando a uma intervenção do [Batalhão] de Choque. Totalmente arbitrário. Nenhuma novidade”, escreveu o petista.

Em 24 de janeiro, quando a pena de prisão foi aumentada, Lula fez discurso inflamado na Praça da República, centro histórico de São Paulo, e fez a seguinte exortação: “Se eles me condenaram, que pelo menos me deem o apartamento. Eu até já pedi para o Guilherme Boulos mandar o pessoal dele ocupar aquele apartamento. Já que é meu, ocupem”!

Em 5 de abril, após receber ofício do TRF-4, o juiz Sérgio Moro determinou a execução da prisão. Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde o dia 7 de abril, quando decidiu se entregar à PF.

<< Lula se entrega à Polícia Federal após pedidos de resistência e bloqueio de militantes

<< Lula: “Quanto mais eles me atacam, mais cresce a minha relação com o povo”

Continuar lendo

 
26/04/2018 07:33
26/04/2018 01:37
25/04/2018 21:54
25/04/2018 21:18
Voltar ao topo