Menu

Para o mercado, Lula impedido de concorrer, ou mesmo impossibilitado de fazer campanha, é mais importante do que Lula preso, mas é claro que a perspectiva da prisão torna essas duas perspectivas ainda mais remotas. Felizmente!

Já para a análise política, o que mais importa agora é discernir qual a preocupação que terá maior peso na decisão do eleitor, na hora de escolher o próximo presidente: economia, combate à corrupção ou segurança pública?

O discurso e a ‘persona’ do Bolsonaro conjugam a segunda e a terceira variável. Nesse sentido, ele está bem posicionado, na frente dos virtuais adversários de centro. Nenhum deles mostrou-se ainda capaz de apresentar uma candidatura viável e empolgante, quadro que poderia mudar se Doria tomasse o lugar de Alckmin.

Outro foco merecedor de atenção é o desenrolar da disputa na rinha dos outsiders.

Adendo: a cada vez mais provável saída de Lula do chamado proscênio acelerará a luta pela definição da candidatura esquerdista mais viável. Todos os concorrentes desse campo ideológico estão de olho, é claro, no espólio lulopetista. Uma herança que já não parece tão portentosa assim. Formalmente, na eleição de 2016, o PT perdeu cerca de 60% das prefeituras que controlava, mas, na prática e no conjunto (dado o peso de megamunicípios como SP), isso representava 90% de sua antiga máquina de poder.

Giselle Santos/Congresso em Foco

"Para se manter na crista da onda, Bolsonaro poderá tentar persuadir o eleitorado de que ele é o candidato que melhor encarna o zeitgeist que triunfou no STF"

Já Bolsonaro corre o risco, sim, de ver sua candidatura murchar com o afastamento do risco-Lula. Pode ser que, para se manter na crista da onda, tente persuadir o eleitorado de que ele, Bolsonaro, é o candidato que melhor encarna o zeitgeist que triunfou no Supremo Tribunal Federal na madrugada desta quarta-feira (4).

Ainda sobre a candidatura presidencial da esquerda, estou curioso para ver o desfecho da queda de braço, no PSB, entre Siqueirinha, presidente da legenda, e Joaquim Barbosa.

O segundo não aceita candidatura alguma além da presidencial. O primeiro procura se equilibrar entre os interesses da família de Eduardo Campos e dos candidatos proporcionais, que estão angustiados com a grana escassa para suas campanhas, ainda mais se forem obrigados a dividi-la com uma candidatura ao Planalto.

Agora, eu pergunto a vocês: nesta nova conjuntura, pós-STF, poderá surgir uma onda Alckmin?

Veja também:

<< Com maioria para acatar, o STF rejeitou o habeas corpus de Lula. Veja como e por que isso ocorreu

<< PSDB elogia e PT diz que decisão do Supremo foi trágica para a democracia e o Brasil

Continuar lendo

 
26/04/2018 07:33
26/04/2018 01:37
25/04/2018 21:54
25/04/2018 21:18
Voltar ao topo