Menu

Cidade de Deus? Valha-nos senhor

por Paulo Castelo Branco Publicado em 04/02/2018 13:30

A hoje mal falada Cidade de Deus é resultado da incompetência que sucessivos governos aplicam às classes trabalhadoras, migrantes e desassistidas.

A área ocupada pela comunidade, nos séculos passados, era habitada pelos índios Tamoios. Ao longo dos anos, com a colonização realizada pelos invasores conhecidos como descobridores deste fantástico país, indústrias e seus trabalhadores se instalaram na região criando novo núcleo populacional.

No governo Carlos Lacerda, foi implantada a política de transferir os menos favorecidos das favelas, hoje ironicamente chamadas de comunidades, para locais distantes do trabalho dos que prestavam pequenos serviços a seus vizinhos, moradores dos bairros nobres da cidade.

O resultado é este caos em que se tornaram quase todas as cidades do país, sejam nos grandes centros ou nos mais distantes rincões.

As dezenas de tipos de policiamento, absolutamente desconectados, servem para agravar a situação e permitem aos marginais se infiltrarem nas corporações, minando a autoridade com ameaças se insubmissos, condenados a sofrer atentados praticados por grupos semelhantes a terroristas.

Agência Brasil

"Com os quadros policiais defasados, os profissionais só são vistos nas praças de guerra em que se transformaram as vias das grandes cidades"

O caso da Rocinha e as demais comunidades que a rodeiam e servem como rota de fuga para bandidos acuados pela forças de segurança; é o exemplo mais evidente de como transformar uma pequena cidade em praça de guerra.

Os moradores dessas regiões, trabalhadores, estudantes e pequenos comerciantes são submetidos às ordens dos comandos criminosos e, em caso de insubordinação, são julgados por tribunais de exceção.

O reconhecimento das forças de segurança serem incapazes de controlar o crime organizado, reforçado pelo ministro da Defesa, sem dúvida deixa a população sem alternativa, a não ser a defesa pessoal ou formação de milícias constituídas por uma mistura de mocinhos e bandidos que irão, igualmente, dominá-los.

Os chefes de polícia eficientes não resistem por muito tempo em seus cargos por não serem prestigiados por seus superiores, e acabam desistindo ou sendo exonerados pelos governantes.

O assassinato de policiais se tornou prática comum, amedrontando os profissionais que não recebem armamentos modernos e não têm tempo para treinamento. Treinam no dia-a- dia em confronto com bandidos, muitos deles oriundos das próprias forças de segurança.

Nenhum cidadão se sente seguro nas ruas sem identificar policiais em serviço de prevenção. Com os quadros policiais defasados, os profissionais só são vistos nas praças de guerra em que se transformaram as vias das grandes cidades. Quando o cerco policial é realizado, os bandidos se refugiam nas comunidades mais distantes ou tiram férias no nosso extenso litoral, onde não serão reconhecidos pela população, nem combatidos por dois ou três policiais em serviço.

Chegamos ao limite da paciência. É necessário agir com rigor, oferecer sustentação as ações de enfrentamento até que seja controlado o poder dos criminosos; isto só será possível com a seleção de novos policiais, com apuração de vida pregressa, além da possibilidade de exclusão imediata de agentes flagrados em atos ilícitos. Se não conseguirmos mudar o comportamento dos governantes, exigindo comando único, nacional e integrado, nos restará ajoelhar, rezar e pedir a Deus que nos proteja.

Outros textos do autor:

<< Banguela. O nosso herói sem caráter

<< A predadora luta de tucanos contra seu mais vistoso exemplar

Continuar lendo

18/02/2018 18:38
18/02/2018 12:06
18/02/2018 08:30
18/02/2018 08:30
Voltar ao topo